segunda-feira, 3 de outubro de 2016

"Me encantei pelo vento, vivo de redemoinhos. Os meus segredos conto as aves na mudança das estações. Vivo sem testemunhas, como os cantos das paredes, como livros na estante, quadros de fotografia..." ________________________ Marcos Tavares.

Gasto minhas peraltices a fio. Um gosto de vida me saliva. Truques e traquinices me combinam da criança que um dia fui. Trago esse espírito de antes. Meu olho é vício de sorrir: toda querença é possível; toda possibilidade é significância de voo. Uma asa, uma boca de fazer silêncio e um par de sonhos e tenho um mundo. Estou com cacoete de amor.


Dan Cezar

Nenhum comentário:

Postar um comentário