quinta-feira, 30 de outubro de 2014

“Não que eu não goste de falar de nós. Mas é que normalmente é tão complicado que prefiro o silêncio de meus sentimentos guardados ao invés do barulho de palavras que nunca nos definirão." ______________________ Thamara Fonseca

Acordei com o estrondo de teu nome
em meus lábios.
 Era o coração tentando recobrar o contato.

Lídia Martins
Você disse que ultimamente eu pareço triste no que escrevo, mas não é bem assim. O melhor da vida eu não conto, apenas sussurro, só quem está muito perto vai ouvir. A felicidade deve ser segredo, guardada com cada um e só dividida em sorrisos silenciosos, que é pra ninguém roubar. Já a tristeza: dela temos que falar, escrever, gritar! Pra ver se ela desfaz na boca e ouvido dos outros, até que ela ande por todos os cantos da cidade, volte cansada e sem lugar pra ficar.

Bruno Fontes

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Oh! Itapuã! Recebe em teu colo a fúria do toque do meu amor. _______________________ Fernando Coelho


Não vá embora. Espera o poema parar o relógio.
Espera o amor fechar a estação.


Fernando Coelho Poeta

Foto 
Patricia Guerra

Debaixo do mar nasce a minha fala. O idioma da prece dos abismos. Quero te dizer palavras doces. Quero te inventar no cair do céu sobre o horizonte. Estou marcado de profundidade. O teu amor é o arquiteto dos meus poros de água. O mar é o meu carteiro. 

Fernando Coelho Poeta

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Duas dúvidas e um passo de dança : A vida tem a brevidade de um sonho ou de um susto? O peso de sombra das dúvidas ou a leveza de palavra de certos gestos? Importa responder, porque não é a mesma coisa sangrar por dentro ou por fora da camisa. ______________________ Portelinha

“Por te falar eu te assustarei e te perderei?
 Mas se eu não falar eu me perderei,
e por me perder eu te perderia”


 Clarice Lispector
A Paixão Segundo G. H
Eles vão te chamar de louco. Vão debochar dos teus passos. Vão dizer que não é normal, que você não ganhará dinheiro com isso. Que é arriscado. Que o certo é trabalhar pelo dinheiro, é casar para ter filhos, é ter filhos para contar. Vão te apresentar todas as vitrines, todos os cardápios de opções da vida regular. Vão tentar te derrubar, fazer com que viva a história deles, seus fracassos, suas Conquistas, sua falta de amor. Vão te menosprezar, dizer que a vida deles é melhor, vão te apresentar o certo e o errado. Pouco a pouco tratarão de desbotar-lhe, manchar seus sonhos, transforma-lhe em mais um. Eles farão isso e muito mais! Viver, por si só, traz um alto risco. Viver de verdade é um ato de amor. É, para alguns, uma escolha e para outros, uma maldição.


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

"Não tem problema. Eu te amo no sonho mesmo. A realidade fica em minha gaveta inventada." _____________________ Fernando Coelho


Na vida a gente nunca cansa de esperar.
 Andreza Pereira
Eu adoro DreamCatcher! Além de achar lindo, eu amo o significado. "O DreamCatcher (filtro de sonhos) é de origem nativa norte-americana. A lenda diz que, durante uma guerra entre duas tribos, a raiva e o rancor gerados faziam com que as crianças tivessem pesadelos. A grande mãe búfala desceu à terra, pedindo ao xamã da aldeia para que ele fizesse um aro com um galho de salgueiro-chorão e, então, deixasse uma aranha fazer uma teia dentro do galho. Assim, xamã pendurou o amuleto no teto da cabana (local em que as crianças dormiam). As más energias ficavam perdidas e presas na teia, se dispersando quando amanhecia. Já as boas energias passavam pelo furo no meio. Mesmo sendo pesadelos, podem conter uma mensagem importante. Com isso, também podem ser considerados bons sonhos. O círculo simboliza a roda davida, a teia são os sonhos que "tecemos" e a teia do meio simboliza o "grande mistério/segredo"." Normalmente quem escolhe tatuar um filtro de sonhos busca proteção, de forma a curar e espantar os males em redor, tendo por perto apenas boas energias e bons sonhos.

Bárbara Flores

domingo, 26 de outubro de 2014

"Nós sempre teremos Paris", - arrumando minha vida, para partir.

Todo buraco no peito é precipício pra alma.

Ju Fuzetto
Cazuza estava certo. O tempo não para. O tempo arrasta. O tempo devora. O tempo sufoca. O tempo agride. Mas o tempo também aumenta a saudade. O tempo não espera. O tempo tem pressa. O tempo transforma. O tempo melhora. Ou piora também. O tempo ensina. O tempo é impaciente. O tempo corre por si só. O tempo não planeja ninguém. O tempo amadurece. O tempo cresce. O tempo dói… mas cura também. O tempo supera. O tempo esquece. O tempo vai… mas não volta. O tempo não fica. O tempo sempre está de passagem. O tempo é ciência. O tempo é mistério. O tempo pode ser divertido, mas também pode ser tédio. O tempo é eterno. O tempo é indecifrável. O tempo é virtude. O tempo é maldade. O tempo passa. A vida acontece. Mas a gente… a gente permanece.

Desconheço a autoria

sábado, 25 de outubro de 2014

"Eu que nunca discuti o amor Não vejo como me render. Ah! Será que o tempo tem tempo pra amar ou só me quer tão só?" ______________________ D.A.


Desculpa se eu ficar mudo,
 mas o tempo que eu tenho é pra voar.

D.A.

É difícil mensurar uma pessoa, um encontro, um abraço, um traço ou uma voz, quando o conjunto todo é especial. Nestas ocasiões, caber é relativo: cabemos neste abraço, mas não, numa explicação qualquer. Não desbotamos, não esfriamos e não saímos de moda no verão, apesar do outono-inverno nos brindar de encantos maiores, casacos de braços e vidros fechados na estrada. Você pra mim, é espírto: tem olhos que não me poupam da verdade, sorrisos que insistem em brilhar quando me vêem. É espiritual. Qualquer coisa do mundo visível fica pequena quando falamos de nós.

Érica de Paula

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

"Existir é fazer o vazio virar estrada." ________________________ [Ta Prates]

Onde puderes amar, demora-te!

Bom final de semana!
Que bom que me olho por dentro, que reavalio o cenário de fora, que aperto as forças e respiro aliviada, pois sei que tento antes de ir embora. Que bom que me dou o direito de respeitar meus arrependimentos, de recomeçar por outro lado, de inventar histórias coloridas só pra amenizar o que ainda esta desbotado. Que bom que silencio a alma e a deixo quietinha ate saber-me resposta, ainda que as perguntas todas se movimentem dentro de mim. Que bom que minhas certezas estacionam no coração pra trazer paz. Que bom que tenho consciência que não vivo de ciência e sim de sentimento. E que tudo que faz parte de um incremento maior no que sinto serve para que eu possa sentir o pulso das coisas, o rumo do vento e o resumo da minha própria história. Que bom que sou feita só das boas memórias e que relevo o que não lembro. Que bom que me sinto incompleta e assim sendo, visto uma disposição constante em construir algo que tantas vezes ainda não sei o que é. Que bom ter essa tranquilidade até quando algo me dói. Significa que to querendo exercitar as asas, ainda que meus medos estejam amarrando meus pés.


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

"Um gosto de amora ficou na dor, tão livre para ser o que sou" _________________________ Bruna Fávaro

Tenham uma excelente noite!
Confusa. Deserta. Incerta. Calada. Sem prosa, nem verso, nem nada. Cansada. Carente. Decente. Tentada a fechar a gaveta e dar férias para os sonhos. Inversa. Salgada. Irritada. Ausente. Dispensando as lembranças cítricas que revelam a realidade. Anônima. Urgente. Carregando o silêncio constante como promessa precisa de sobriedade. Consciente. Imersa. Absurda. Largada. Teimosa. Desfazendo a memória do que insiste e fere. Aprendiz de caminhos virgens, arruma sua lógica e desnuda os desejos empilhados.

Ita Portugal
 —

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

"Os passos exigem concentração e garra...o momento pede coragem e fé... A situação dispensa o medo e o desespero...O teatro está cheio e é preciso contracenar com a delicadeza dos olhos e a força da alma...é necessário ser gente grande quando as cortinas se abrirem...e garotas grandes não choram!" ____________________________________ Ana Carolina

Bela Noite!
Ela sempre soube, mas preferiu ignorar os antigos manuais. Rasgou os argumentos de uma solidão conhecida e maquiou outros significados para ir além. Relevou algumas descrenças e desmascarou as ilusões. O plano parecia dar certo e torná-lo perigoso era empolgante. Enquanto desafiava a loucura, dissimulando os desejos, outros diziam que ela havia perdido a noção do risco. Aprendeu o descompasso de um ritmo desconhecido e atormentou o silêncio da tristeza com um riso incontido. Jogou com algumas cartas camufladas e intimidou as razões avessas, seduzindo o vazio de uma noite monótona. O que ela não havia notado, ainda, é que o medo de amar estava fora de moda. A solidão já não voltara pra casa há dias e as letras de uma canção antiga tinham, agora, pronuncias de amor. Era tarde demais para sair em busca de outras explicações. Ela estava apaixonada.

Ana Carolina

terça-feira, 21 de outubro de 2014

'Vou ser doutora da alma' - pensou a menina. E lá foi ela tratar de fazer poesia.' ______________ D.A.


Ela é uma menina com uma flor - diria Vinicius. Mas eu digo mais. Digo, então, que ela é uma menina com uma flor e seus encantos. Tipo bruxa que faz magia pro bem. E ela é assim, mesmo fragmentada depois da luta, ela parece toda inteira. Porque leva no bolso aquele monte de girassóis que eu lhe enviei por meio do vento. E nos lábios carrega, ainda, aquela prece poderosíssima:'Andarei vestida e armada para que meus inimigos tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me exerguem e nem em pensamento eles possam me fazer mal.' E, assim, ninguém a alcança. Vai ver porque ela não é mesmo daqui. Veio de qualquer outro mundo distante, onde o coração pesa mais na balança. De um lugar onde se trocam carinhos na alma.


Desconheço a autoria!

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

"Tem a ver com o peito, mas o que dói é o cotovelo." ______________ Fhá Queiroz

Dias chuvosos!
Dentro e fora do peito.
Não espere de mim o apelo ou o pedido, porque ao contrário da pergunta, sou a resposta. Já estive do outro lado e não quero mais. Quero que venha porque quer vir. Quero que fique porque quer ficar. Se você se despedir, quero a dor da certeza que quis se despedir. Não somos mais os jovens de outra hora. Há quanto tempo já desacreditamos do amor? Sobreviveremos a esta verdade. Suportaremos o fato de sermos de outros, mesmo sendo nossos. Descartaremos as hipóteses e as poesias. Verei algum pôr-do-sol e desconfiarei ser uma indireta tua atravessando o tempo. Meias palavras. 

sábado, 18 de outubro de 2014

"Arrume a cama, o cabelo, o emprego, os estudos e depois – se der tempo entre um seriado ou outro – arrume um amor." ________________________ Hugo Rodrigues

Tudo é denso, tenso, imenso quando penso.

D.A.
"Não foi à toa que Adélia Prado disse que “erótica é a alma”. Enganam-se aqueles que pensam que erótico é o corpo. O corpo só é erótico pelos mundos que andam nele. A erótica não caminha segundo as direções da carne. Ela vive nos interstícios das palavras. Não existe amor que resista a um corpo vazio de fantasias. Um corpo vazio de fantasias é um instrumento mudo, do qual não sai melodia alguma. Por isso, Nietzsche disse que só existe uma pergunta a ser feita quando se pretende casar: “continuarei a ter prazer em conversar com esta pessoa daqui a 30 anos?"

Rubem Alves

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

"Um banho, um cochilo, uma pausa. E a vida vai se fazendo prazerosa nas coisas pequenas mesmo." ____________________________(Rachel Carvalho)

Ótimo final de semana!
Bom descanso.
"É que a menina cansada pede pausa. Deixar de ser a mulher-maravilha por instantes, soltar as armaduras de aço que carrega, adiar as lutas intermináveis e ser frágil, indefesa, ter medos e quem a proteja. É que a menina cansada pede abrigo, conforto, cafuné. Ela que sempre fala, precisa também de palavras de motivação; que tanto cuida, gosta também de ser cuidada; que tanto ama quer ser também amada. A vida pede colo. Acalanto. Proteção."

(Rachel Carvalho)

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

"O exílio dos olhos eu disfarço com rimas e rímeis baratos." ___________________ Germana Zanettini

"O suficiente me deixa querendo mais."- J. castro
Hoje, escondida em meio aos meus passados presentes, lembro com medo e saudade, como o amor um dia já me pareceu certo. O tempo passou, algumas dores ficaram e os traumas me parecem constantes. Independente disso, ainda caminho me apaixonando e, volta e meia, me dizendo que agora não é hora de amar. Mas, em silêncio, sei que sempre é hora de amar. Sei também que talvez o meu receio de amar seja só para ele ficar cada vez mais vizinho. Já que com tempo aprendi que quando rejeitamos o amor, o tornamos cada vez mais presente, pois o relembrar da necessidade de esquecer é uma memória presente e covarde. Dores de amor caminham sempre conosco. A memória voa. A saudade é incansável. Mas o amor é certeza. E mesmo quando não é, deveria ser. O medo de amar é uma constante para todos que já foram para-raio dos descasos alheios. Mas amor é flor e cheiro, e, por mais que se vá, a flor sempre deixa seu perfume ao vento. E, por acaso você já viu o vento ir embora e nunca mais voltar? Ele sempre volta, vezes calmo, como quem sussurra e te conta algo, vezes se guarda para vir tempestivo, mas, quando vem, não há resistência que sirva de muro. Que sejamos mistérios de amar, mas também vontade de viver. Que tenhamos medo, mas não descartemos a possibilidade de nos surpreender. Por fim, que sejamos sempre amor. E, se o medo quiser nos convencer que histórias e traumas se repetem, digamos a ele que ele precisa amar um pouco mais…

Frederico Elboni- Adaptado

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

"Sabíamos que os encontros jamais se repetem, nem a emoção do alto amor. Éramos todos de cristal e vento, de cristal ao vento. E andavam nuvens de saudade por cima dos jardins. Tão grande, o mundo! Tão curta, a vida! Os países tão distantes! E alma. E adeuses." _______________________ Cecília Meireles.

Solte os seus cabelos ao vento, não olhe pra trás.
Ouça o barulhinho que o tempo no seu peito faz.
Faça sua dor dançar!
Não conseguimos nos separar. Fracassamos ao nos separar. Somos incompetentes para a despedida. Tem gente que não dá certo junto, a gente não dá certo separado. A vida fica muito pior quando isolados. Em nossa combinação, tempo é distância, distância é saudade, saudade é amor urgente. Percebo que, em sua ausência, você continua ao meu lado, eu é que desapareço. Vivo reproduzindo suas atitudes e gestos. Sou um mímico de seu rosto. Sou um intérprete de sua risada. Intriga-me este mistério que não nos permite o fim da relação. Qual a fatalidade? Será maldição? Carma? Dívidas de vidas passadas? Por que não nos desamamos? De onde vem essa obsessão, essa vontade louca de estar sempre colado? Nem as personalidades diferentes nos distanciam, coisa alguma, problema algum. É como se descobrisse que somos vampiros do amor: não há morte em nossa entrega. Já tentamos de tudo para nos separar – e não funciona. Já abusamos dos desaforos, das discussões, do ciúme. Já rifamos o passado, já criamos atritos, só fortalecemos ainda mais os laços. Cá estamos, mais apaixonados do que no primeiro dia. E ninguém entende nada, muito menos nós. Geramos crises em nossos terapeutas. Nosso amor não morre! Nosso amor não acaba! Eu me assusto com a promessa de longevidade, talvez tenhamos que envelhecer juntos, talvez seja necessário aceitar os fatos, talvez a mala não seja nossa porta, talvez o aceno seja para os outros, talvez nosso sangue sonhe filhos. De tanto criar hipóteses, investigar nossa convivência, explorar nossas confusões, eu acredito que não iremos nos separar por um simples motivo: fizemos algo de errado no início. Cometemos uma grande gafe. Uma falha imperdoável. Não sabemos quem disse o primeiro eu te amo. Não assinalamos o autor da declaração fundadora. Não anotamos o nome do corajoso. Lembramos de tudo, menos de quem disse o primeiro eu te amo. Quem declarou primeiro. Quem transformou o endereço em destino. Se não sabemos quem falou o primeiro eu te amo, resta-me crer que já nascemos nos amando...

Fabrício Carpinejar

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

"Eu sei, eu sei... O eterno clichê "isso também passa". __________________________ Tati Bernardi

Essa é uma das coisas que as pessoas não nos
 ensinam quando falam de crescer: como lidar 
com as dores que não passam com um beijo..."

Retirado do Livro Soul Love -
 A noite o céu é perfeito
Se não era amor, era da mesma família. Pois sobrou o que sobra dos corações abandonados. A carência. A saudade. Um quase desespero, uma espécie de avião em queda que a gente sabe que vai se estabilizar, só não se sabe se vai ser antes ou depois de se chocar contra o solo. Eu bati a 200 km por hora e estou voltando á pé pra casa, avariada. Eu sei, não precisa me dizer outra vez. Talvez este seja o ponto. Talvez eu Não seja adulta o suficiente para brincar tão longe do meu patio, do meu quarto, das minhas bonecas. Onde é que eu estava com a cabeça, de acreditar em contos de fada, de achar que a gente muda o que sente, e que bastaria apertar um botão que as luzes apagariam e eu voltaria a minha vida satisfatória, sem seqüelas, sem registro de ocorrência? Não era amor,era uma sorte. Não era amor, era uma travessura. Não era amor, eram dois travesseiros. Não era amor, eram dois celulares desligados. Não era amor, era de tarde. Não era amor, era inverno. Não era amor, era sem medo. Não era amor, era melhor.

Martha Medeiros





domingo, 12 de outubro de 2014

"Depois de estar cansada de procurar aprendi a encontrar. Depois que um vento se opôs contra mim navego com todos os ventos." ____________________ [Nietzsche. In: A Gaia Ciência]



Ótima Semama!

.............

,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
Sempre acreditei que os meus sonhos, de uma forma ou de várias, se realizariam. Talvez não da forma que eu imaginei, com as pessoas que eu pensei ou nas circunstâncias que eu queria, mas eu sempre soube quando algo que eu quis muito estava se concretizando ali, diante dos meus olhos. Com o tempo, aprendi que tudo (e isso eu digo com toda a verdade) acontece na hora certa. Quando eu estava preparada para receber ou para perder (algo ou alguém) a vida – de mãos comigo – me fez enxergar a importância de ser feliz com o que se tem, com o que se é. E foi com esse aprendizado, que eu cheguei até aqui.


Bibiana Benites 

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

"Preciso estar firmemente pousada sobre algo - ou alguém. Abraços me seguram. E eu me agarro." _________________________ Martha Medeiros

"Às vezes as coisas são apenas o que parecem ser,
 sem nada demais."

(Bukowski)
"E se eu te amasse um dia, pequeno e calmo, minúsculo e leve, no vento que desaprendeu o caminho, que vaga nos becos, que se perde nas curvas, que se espalha no rio, será que teus dedos descobririam meus cabelos, tua voz resistiria ao barulho das árvores? E se eu te amasse um dia, alto e amplo, grande e maior, junto ao céu, numa asa, contra o sol, solto e livre num voo silencioso de pássaro, será que teus olhos se juntariam aos meus num horizonte improvável, teu riso seria alto outra vez menino, teu peito se encheria de felicidade inédita? E se esse dia não chegasse, será que um dia tu perceberias que tens de mim o vento, o caminho, os becos, as curvas, o rio, o céu, a asa, o sol, o voo, o pássaro, o horizonte improvável, o riso, o menino, a felicidade esperando para ser?"



Patrícia Antoniete

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

“É que, às vezes, para ganhar poemas precisamos perder amores.” _____________________________ Eu me chamo Antônio.

"Continuo te escrevendo
para que meu coração se inspire
para que meu coração se lembre"

Cah Morandi
Difícil despertar para o amanhã, sei do que falo. Há em nós, em certa parte da vida, uma madrugada mais duradoura, mais profunda, mais oculta que o normal. Se parecerá intransponível, acumulará parte dos sonhos de outras noites ainda quentes, trará a insônia e as perguntas infantis de quem ainda não conhece o mundo. Os lençóis sabem o contorno do corpo, os travesseiros colecionam os cabelos e se perfumam. O rosto é cada vez mais salgado de lágrimas. Não há tortura maior do que quando não saímos de nós mesmos por estarmos enclausurados no outro. Ignoramos a despedida para tornar anônima a história sobre o final. Partir é mais fácil que ficar. Quem parte leva o que precisa e no caminho se distrai com a nova paisagem. Mas quem fica, fica com tudo e se torna prisioneiro do ambiente do fracasso. Depois de um tempo – que para uns dura mais e outros menos – uma frestinha de vida tenta atravessar as cortinas e somos surpreendidos ao lembrar que vida continua em movimento. E nesta história tão universal e ao mesmo tempo tão particular, pensei: não ficarei atrás das cortinas, é hora de abrir as janelas.


Cáh Morandi

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

"E é interessante. O tal do ser humano é interessante. Sempre procurando o amor definitivo e a tal da segurança. Logo ele, capaz de morrer no próximo minuto, sujeito à primeira ventania, e sem a menor chance diante do menor maremoto (...)" - Osvaldo Montenegro

"No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho (...)"

C..Drummond de Andrade
Atirem-me ao mar! Ando tão cansada dessa segurança do convés, ela não me convém nenhum pouco. Quero agora experimentar as ondas, a temperatura da água, quero encarar o desconhecido. Atirem-me ao mar de possibilidades! Só não me deixem aqui, presa a esta tábua de salvação que nada oferece de arriscado. Atirem-me sem dó nem piedade que eu reúno forças e me viro, eu nado, porque é no perigo e na aflição que a gente descobre a força e a vontade que tem de sobreviver.


Sabrina Davanzo

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Acho que preciso dormir. Há quanto tempo mesmo estou acordada? Ah! Não importa, não hoje. Pensando bem, acho que não vou dormir agora, nem mais tarde. É. Definitivamente, não vou. __________________________ Stella Florence

O Friozinho aqui está convidativo
para um bom filme!

Boa Noite e Bom fim de semana
Por trás de cada saudade, um adeus mal dado. Por trás de cada sorriso um monte de obstáculos. Por trás do amor o coração partido diversas vezes. Por trás de cada alegria, centenas de tristezas.



Caio Augusto Leite

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

"É tarde, nenhum sono repõe o que não vivi. Agora resta um único desfecho: de novo acordar por dentro e acordar sempre até que volte a ser cedo." _______________ Mia Couto

A única forma verdadeira de resistência
 é a exposição da nossa fragilidade.


José Tolentino de Mendonça.
Cheguei à janela e olhei para o céu, um movimento que faço várias vezes até sentir o meu dia concluído e esperar a vinda do novo. Entendi, de repente, porque gosto tanto da noite, desde sempre: pelo silêncio dela... O silêncio é também descanso.

Ana Jácomo