sexta-feira, 30 de setembro de 2016

... Tu falavas de sentimentos. E eu perguntei: - De que cor é a saudade? E tu respondeste: - A saudade tem a cor da pele de quem nos faz falta... (D.A.)

..Mas eu só queria que você soubesse que eu me importo, me importo mesmo. E que sinto falta, muita falta mesmo. Eu só queria que você soubesse que seu espaço no coração e na alma ainda está quente, que a sua imagem ainda está presente... E que você simplesmente não me deixa...

(Thais Mozer)

sábado, 24 de setembro de 2016

"Salve o que é permitido pelo infinito circular... " _____________________ Moraes Moreira

Fica aqui hoje, não precisa ir pra casa. Amanhã a gente acorda, faço torradas para você e saímos juntos para o trabalho, mas, dorme comigo? Dorme comigo pra eu ficar mais tempo com seu cheiro na minha roupa. Dorme comigo pra gente ficar mais perto enquanto a gente sonha. Dorme comigo só pra gente ficar mais tempo juntos. É só isso. Eu não vou me incomodar, você não vai me atrapalhar. Sua companhia me traz paz. Sou feliz em olhar para o lado e ver você irritado com o despertador. Eu coloco a função soneca para você. Dorme antes mesmo de eu sentir sono. Eu desligo a TV. Por mim poderia ser sempre assim. Você aqui antes de dormir e na hora de acordar. A gente poderia dividir o edredom ou eu poderia comprar outro para você parar de me roubar. A TV ia falar sozinha quando se a gente não conseguisse ficar acordados juntos. Dorme comigo? Encosta teus pés gelados aqui nos meus. Deixa que eu coloco o controle da TV ali. Se eu sentir cãibra eu te aviso, pode deitar bem perto de mim. Estique seu corpo, descanse sua alma. Respire sem pressa. Se não der torrada, pode ser pão com requeijão de manhã? Talvez eu acorde antes pra comprar pão de queijo quentinho. Sem açúcar ou com duas colheres? Dorme comigo? Acorda aqui comigo terça-feira, não só aos sábados ou domingos. E se a gente fizer de todos os dias um fim de semana que não termina? Vou pra sala ler enquanto assiste seu seriado preferido – é que eu não acho tanta graça. Mas eu volto se você pedir. Marco a página e te permito interromper. Não precisa levantar, eu te levo água. Dorme aqui comigo pra você ser a primeira  pessoa pra quem eu olhe quando acordar?


Marcio Rodrigues -Adaptado


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

"Eu sei que isso pode parecer um tanto contraditório. Mas calma e senta que eu te explico." _________________________ Nat Medeiros

Bem vinda prima (vera)
E eu caminhava num tapete de folhas e flores. Os caminhos também se estreitaram e tive uma sucessão de perdas, ou melhor, tive uma sucessão de trocas. E assim, como toda pessoa que tem um coração pulsando, fiquei assustada demais com as mudanças. Mas agora já consigo perceber beleza na nudez de cada uma das minhas árvores prediletas. Elas apenas estão trocando de roupa enquanto eu troco de pele, tamanha cumplicidade. Então, quando bate a ansiedade e meu coração taquicardíaco começa a doer, ponho a mão nele e digo a mim mesma: “Obrigada por, pelo menos, poder sentir que não estou sozinha”. Porque eu não perdi uma estação, eu perdi a mim mesma e agora me sinto como um prédio que foi demolido e está sendo reconstruído, tijolo a tijolo novamente. E esse processo é muito difícil, mas acho também a experiência mais bonita que uma pessoa possa vivenciar. Toda reforma, é para fazer melhoras e, algumas coisas, por não poderem ser recuperadas, terão de ser substituídas. E a gente se apega demais a tudo. Pois estou tão disposta às reformas, mesmo que isso inclua marretadas no meu coração logo pela manhã, bem cedo. A gente, quando enjoa da dor, começa a ressignificar os acontecimentos, e percebe que se agarrar a um momento bom, acelera o processo de cura. Tenho tido bons momentos e todos os dias Deus me dá uma alegria que ameniza qualquer desespero. Paciência deve ser o meu aprendizado agora...Aceito e agradeço.

[Marla de Queiroz]

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Se não tivéssemos nos esbarrado de jeito, será que teríamos sobrevivido às nossas desilusões e aos vales-desesperança que cada uma delas cravou em nós? Será que nossas almas raladas já teriam cicatrizado? E o nosso coração, como estaria neste momento? Batendo à toa, apenas apanhando ou totalmente anestesiado? ________________________ Ricardo Coiro


Arquivo Pessoal
Aproveitando a reflexão do trecho da escrita de Ricardo, gostaria de saber, o que teria sido de nós se não tivéssemos nos encontrado? Será que aquele dia, teria ficado aqui na memória comum, ou essa marca no lado esquerdo do peito seria mais uma de tantas e de muitas?!. Falo do dia, do ano, da hora do nosso encontro. Lembro-me bem, queria deletar  a conta de email, sumir do mapa, abandonar a casa, mas você já estava  a caminho. Bem na beira da estrada, enroscado em ventos favoráveis também aos desencontros. Veio com intensidade. Falaríamos de flores e reciprocidades? Ou da caixa de sentimentos que carregamos aqui no peito? E que de repente começamos a revirar, no afã desesperado de encontrarmos o que, na verdade, estava perdido dentro de nós.  E pra quem sabe entregarmos a quem merecedor. Com o encontro coloquei muitos sentimentos pra quarar; alguns afetos, como a ternura de ser olhada por um poeta/escritor/filósofo/cronista e apreciador das artes e do belo; Encontrei a fé contribuidora do inesperado diálogo do acaso. Se não tivéssemos nos encontrado é certo que a descrença teria ultrapassado limites; não saberia o exato conceito de distância e dor. Dor que é senti-la; olhos estariam ofuscados, sonhos camuflados e a chave da caixa estaria perdida, jogada em um canto qualquer. Após este encontro a leitura de seu coração se fez necessária.  Digo que "Elas" não são tantas assim. Talvez uma, sem nenhuma pretensão de que amasse a mim. Se não houvesse o encontro não sentiria a cobiça do jardineiro, mesmo sabendo que, faceiro que és enamora-te fácil, não só pelas flores, mas pelas estrelas e muitas marés. Não saberia de sua áurea, de sua calma; não saberia do paradoxo que és, e do paradoxo que me tornei. Não saberia amar o inexplicável ou rejeitar a possibilidade como ato de coragem. Não saberia da força que habita em ti,  tampouco das fragilidades que reinam em mim. Se não houvesse o encontro, não haveria o disco rodando em Elvis Costelo; não haveria a brisa do fim de tarde; o reflexo da camisa verde agua no olhar; nem filmes romanescos na alta madrugada. Como diz a canção:  Hoje sei " Eu estou maior do que era antes, estou melhor do que era ontem" (...) Filha do Mistério e do Silêncio." 

"O importante, de fato, é que nos achamos em meio a este monte de coisa nenhuma."... para nunca mais nos esquecermos de forma alguma.



Daniela Rodrigues Silva Gonçalves

domingo, 18 de setembro de 2016

A solidão é ambígua. Ela fere, mas também é amiga. Depende do instante. Da pausa. Da perda. O silêncio nos afeta, mas mostra a direção certa. _______________________ Noemi Prates.

Raros são os amores que dispensam promessas, visto que raras são as pessoas que promessas dispensam. Ouso dizer que vivemos de promessas mais do que de amores. Talvez porque saibamos bem o que seja uma promessa e nela nos agarramos como uma certeza. Mas e o amor, qual a certeza de sabê-lo o que se é? Promessas visam aliviar-nos garantindo-nos amanhãs. E o amor, garante-nos o quê? Um amor que se declare garantindo que amará amanhã, também é promessa. Uma promessa que se declare garantindo que será a mesma amanhã, também pode ser amor. Mas quando o amor não nos responde, o que ele é? O amor quando não se reforça na promessa se fortalece no silêncio.E quem sabe isto seja a maturidade daquele que aprendeu que as palavras são tão frágeis quanto os amanhãs, e saiba que os nossos caprichos e medos e boicotes são mais previsíveis do que queremos tanto prever, e saiba que os frutos virão amando-se desde agora a semente, e que a colheita não está em nada separada das raízes. Raros são os amores sem necessidade de outra coisa senão o próprio amar: sem compromissos públicos na agenda, sem encontros marcados com as certezas, sem anúncios nas redes sociais e planos anunciados de férias e festas onde se espera se estar longe do fracasso de não ter sido aquilo que se prometeu.Amar é verbo sem cobranças.Amor sem promessa tem perfume de gratidão, perfumando-nos e, por consequência, perfumando o outro, sem esperarmos por isso.


Guilherme Antunes

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Rios levam homens bons por encantamento. ______________________ Fernando Coelho

A pouco fiquei sabendo do falecimento do ator global no Rio São Francisco. Tive a oportunidade de me banhar no Chico, na cidade de São Francisco, nordeste de MG, com os amigos Marinério Nascimento e Danny Alves, onde fui advertida a ficar perto da margem, pois a qualquer momento poderia pisar em lugares profundos e portanto perigosos. Obedeci e lá fiquei enamorando o São Francisco que me deixou encantada com tamanha beleza, santuário ecológico que me deixou desconcertada. Poetisa que sou, imaginei percursos de eternas esperanças e pensei: és um oásis no coração do nosso sertão. As fotos aqui postadas foram tiradas por mim e posto como uma singela homenagem poética a Domingos. Não posso dizer que Chico foi traiçoeiro com ele, posso dizer que ele foi um privilegiado de banhar em suas águas, e que apesar da tragédia que o vitimou, estou certa de que por vários momentos o Velho Chico lhe concedeu a oportunidade de fazer brilhar muitos raios de felicidade em seu olhar. Como acabou de poetizar Fernando Coelho e Vanessa Vicentini: "Rios levam homens bons por encantamento (...)", "Tragédias mostram nossas fragilidades"... Descanse em paz!

Daniela R S Gonçalves

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Você pode fugir do que teme, ou de tudo que tem medo. Mas nunca poderá fugir ou escapar de tudo aquilo que te provoque (...) ____________________________ Damien Lockheart

img: 50 Tons de Cinza
Queria era ser tempestade... queria bagunçar idéias, abalar certezas, expor fraquezas... queria ser o lampejo de lucidez... queria era ser loucura... invadir pensamentos, brincar com a sanidade, chegar ao limite e explodir irracional e linda diante de uma linha da cor do sol... queria era ser a mentira, o esconderijo, o porto-seguro, o segredo... queria ser o vício incorrigível, o mal que não se corta pela raiz, o remédio e a cura... queria era ser a falta de moral, a falta de princípios, a falta de limites e todo o desejo... queria ser a única saída e a última esperança, ou mesmo só mais uma dança. Queria ser o tapa na cara, a pedra no sapato, o espinho sob a pele, a cicatriz que nunca se fecha. Queria ser o violino invadindo a melodia, o passo fora de compasso, o desvio do caminho. Queria ser a causa da insônia, o agora, a possibilidade, o tangível e palpável. Queria era ser o presente, o improvável. Queria era ser a história, o princípio e o único fim. Queria não ter isto de querer o que me falta, ainda que me exceda, neste querer sem fim.

Desconheço a autoria

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Sinto que sou como você, como um vento que sopra do sul. Suas palavras marcaram demais, sinais que nunca se apagarão (...) _______________________ Tihuana

Sinto-me como uma semente no meio do inverno, sabendo que a primavera se aproxima. O broto romperá a casca e a vida que ainda dorme em mim haverá de subir para a superfície, quando for chamada. O silêncio é doloroso, mas é no silêncio que as coisas tomam forma, e existe momentos em nossas vidas que tudo que devemos fazer é esperar. Dentro de cada um, no mais profundo no ser, está uma força que vê e escuta aquilo que não podemos ainda perceber. Tudo o que somos hoje nasceu daquele silêncio de ontem. Somos muito mais capazes do que pensamos. Há momentos em que a única maneira de aprender é não tomar qualquer iniciativa, não fazer nada. Porque, mesmo nos momentos de total inação, esta nossa parte secreta está trabalhando e aprendendo. Quando o conhecimento oculto na alma se manifesta, ficamos surpresos conosco mesmos, e nossos pensamentos de inverno se transformam em flores, que cantam canções nunca antes sonhadas. A vida sempre nos dará mais do que achamos que merecemos.
 
 
Khalil Gibran

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Estou atravessando os espaços entre os abraços, o sentimento ilhado entre os versos, que muitos teimam em chamar saudade. Sou chama que movimenta silêncios. À procura da açucena perdida. Sou a falta do que fui e a esperança do meu caminhar. _____________________________ Abraão Vitoriano

Uma coisa é certo na vida, uma coisa da qual ninguém pode escapar, uma coisa que faz com que todos tenhamos algo em comum: todos nós chegaremos num ponto em que experimentaremos um rompimento de nossas próprias percepções. Em algum momento na vida, seremos partidos. Não externamente, não superficialmente, não temporariamente, mas de forma profunda e contínua. Em algum momento seremos feridos. Em algum momento seremos aquele que feriu. Não dependendo de nós mesmos, coisas acontecerão, consequências virão, mudanças repentinas e indesejáveis ocorrerão sem que tenhamos o controle sobre isso. Sofreremos perdas irreparáveis. Sentiremos as faltas, as ausências, a impotência de não poder impedir o fluxo da vida, a tristura da insuficiente força em vencer o desalento. Seremos fragmentados em inúmeros pedacinhos. Seremos desconstruídos além da embalagem que nos envolve. Mas depois, num outro momento, a vida nos dá um golpe de misericórdia. Nos reerguemos apesar das tristezas. Superamos, talvez não inteiramente, mas de forma a nos deixar caminhar. Seguimos em frente. E nunca mais seremos os mesmos.


Luci Alves

domingo, 4 de setembro de 2016

Troque a roupa. Mude os sonhos. Acorde cedo. Compre caderno e canetas. Escreva. Desafogue as mágoas. Arrume as gavetas, mas não esqueça de organizar sua cabeça. Gaste tempo incomodando a tristeza. Faça silêncio e escute seu coração.(...) _________________________ Ita Portugal

Fale baixo. Tem alguém escrevendo. Tem alguém inventando um mundo melhor. Não atrapalhe. Nesse momento tem alguém pensando no cinza, no amarelo, no vermelho, na alegria do colorido dos dias. Faça silêncio. Alguém noturno, escreve como se o mundo estivesse na ponta da caneta, espalhando seus movimentos luminosos na ilusão de um poema com três versos. Fale baixo. Tem alguém tentando arrumar o inverno para aquecer os pés. Tem alguém mexendo, transformando, embaraçando, transbordando a esperança, acreditando nos sonhos, criando fantasias. Tem alguém pagando os melindres com as canduras das consoantes e vogais, que combinadas grafitam verdades suaves. Tem alguém sincero, rasgando a alma, sentindo as dores, pingando de suores por causa de uma bonita confusão da alma. Não interrompa. Não existe um gênio pensando. Existe um maluco sonhando, perdendo o controle da dura realidade para conseguir viver. Não entre agora. Existe um poeta envolvido numa neura de felicidade, dormindo sobre as palavras que ele mesmo inventou. Não faça barulho. Deixe esse alguém, contabilizar ideias, regar o romantismo nos rabiscos e assim concretizar suas confissões que serão destinadas a todos os insanos que conjugam o amor. Espere um pouco. Existe alguém na escuridão da noite, vertendo crepúsculo para derramar suas epifanias cheias de parágrafos com excessivas esperanças. Silêncio. Existe alguém agora, aturdido de delicadeza, sem hora marcada para concluir uma história romântica, poética, louca, capaz de atrasar as rugas e transformar o cotidiano em algo melhor. Existe sempre alguém e talvez seja o poeta louco de ilusão.




Ita Portugal

sábado, 3 de setembro de 2016

Houve um querer dos Dois, uma entrega e uma vontade absurda de transformar aquele instante em uma eternidade que foge do entendimento dos normais. _______________________ Bibiana Benites

Numa dessas madrugadas, em que nada parece que vai acontecer, numa madrugada inusitada, Poseidon, o deus supremo do mar, cruzou com Freja, a deusa da beleza. No momento, não se reconheceram como deuses, achavam que eram meros mortais pisando nessa Terra de medíocres. Não houve conexão imediata, ambos apenas queriam dialogar madrugada adentro. Afastaram-se pelo espaço e pelo tempo, mas uma força reuniu os dois novamente e eles se reencontraram durante uma nova madrugada, desta vez bem incomum. Ali descobriram uma conexão vívida e calorosa se elevando, através de sutilezas e atrações. Poseidon, enfeitiçado pela beleza de Freja, a levou para conhecer o seu mar para lhe mostrar seu mundo das águas salgadas. E sem saber que aquele mar pertencia a Poseidon, Freja entregou-se a ele. Eles ascenderam a intensidade de seus zodíacos, uniram seus poros e fundiram suas almas. Foi neste momento que Freja descobriu Poseidon como o deus das águas, quando ele lhe lançou em seu mar, imergindo-a num oceano de prazer. E no instante em que Freja mergulhou em sua imensidão azul, Poseidon percebeu que era ela, a deusa da beleza. Não se pode negar: quando dois deuses se unem, o elo é tão resistente que suas energias ultrapassam as barreiras do ar e também do mar. Freja deu seu coração a Poseidon, assim como ele confiou o seu a ela e eles se entrelaçaram numa paixão doce, ardente, avassaladora e incomensurável.


Inercya

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

"Quero e espero flagrar o amanhecer e num gesto súbito guardar o lusco-fusco no bolso (quem precisar de lilases e azuis prematuros tenho infinidades)" _________________________ Líria Porto

No meu imaginário é possível tocar o impalpável. A mente existe pra ser usada, pra alcançar aquilo que a realidade não consegue atingir. Se a rotina me prende, a imaginação me liberta. Não consigo viver apenas do óbvio. É a busca por algo novo que me movimenta. Que me transporta. Que me transforma. Que me inspira.Tocar o improvável me faz menos previsível!





Fernanda Gaona