sábado, 31 de outubro de 2015

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

[...] Pássaros cruzam o céu. O perfume de minha roseira está mais presente que nunca. De vez em quando cai uma pétala e eu a ponho numa estante. Certos dias são menos difíceis que outros. _____________________________ Pit Agarmen in A noite devorou o mundo

"A felicidade também é capaz de nos encontrar."

Mateus Rocha
É preciso escolher. Porque o tempo foge. Não há tempo para tudo.  Não poderei escutar todas as músicas que desejo, não poderei ler todos os livros que desejo, não poderei abraçar todas as pessoas que desejo. É necessário aprender a arte de 'abrir mão' , a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial.




(Rubem Alves)

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Não colherás no meu rosto sem ruga a cor, violenta correnteza. És caçadora - eu não sou presa. És a perseguição - eu sou a fuga. __________________________ (Marina Tzvietáieva)


O segredo da minha lucidez é

não acreditar em juventude eterna.

“Para ter lábios bonitos, pronuncie palavras de bondade. Para ter olhos bonitos, veja o que as pessoas têm de bonito nelas. Para ficar magra, compartilhe suas refeições com aqueles que têm fome. Para ter um cabelo bonito, deixe uma criança passar a mão nele todos os dias. Para ter um belo porte, ande sabendo que você nunca está só, porque aqueles que te amam e te amaram te acompanham sempre. As pessoas, mais ainda do que os objetos, precisam ser reparadas, mimadas, animadas, chamadas e salvas: nunca rejeite ninguém. Pense nisso: se um dia você precisar de uma mão amiga, você encontrará uma no final de cada um de seus braços. Quando envelhecer, você vai perceber que tem duas mãos, uma para ajudar a si mesmo, a outra para ajudar aqueles que precisam. A beleza de uma mulher não está nas roupas que ela usa, no rosto ou no jeito de arrumar o cabelo. A beleza de uma mulher se vê em seus olhos, porque é a porta aberta do seu coração, a fonte de seu amor. A beleza de uma mulher não está na sua maquiagem, mas na verdadeira beleza da sua alma. É o carinho que ela dá, o amor, a paixão que ela exprime. A beleza de uma mulher cresce com os anos.”


Quando lhe pediram para revelar o segredo de sua beleza, a atriz Audrey Hepburn escreveu este poema.

domingo, 25 de outubro de 2015

"Acho que já sabes mas preciso dizer: Estou morrendo de saudades tuas. " _______________________ (Rachel Carvalho)

"Quando o coração gosta de ouvir as mesmas
 músicas, várias e repetidas vezes,
 é o quê?"


(Rachel Carvalho)
"E me pego aqui sentindo essa confusão dentro de mim, de aperto no peito e borboletas no estômago. Eu amo o teu olhar, apesar de não saber direito o que ele me faz. Mas não saber não é o maior problema. O pior é perceber que não consigo fazer outra coisa que não seja pensar em ti. E fico avisando ao coração: ei, não vai ser bobo de novo, que não deixo. 
E ele ouve? Só ri. "

(Rachel Carvalho)

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A palavra nas mãos do poeta enfeita-se como faz a mulher amada. _______________________________ Guilherme Antunes

O poeta é um fingidor/ Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor/ A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve/ Na dor lida sentem bem
Não as duas que ele teve
Mas só as que ele não têm
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão
Esse O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Img: Arquivo Pessoal
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve
Na dor lida sentem bem
Não as duas que ele teve
Mas só as que ele não têm
E assim nas calhas de roda
Gira, a entrete a razão
Esse comboio de corda
Que se chama coração

Fernando Pessoa 



Homenagem ao dia doPoeta
20 de outubro de 2015

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

A vida é uma grande produção e somos todos filhos da ilusão. O final do espetáculo, você já sabe... Então, como diria meu querido Caio Fernando Abreu, "...que seja doce, que seja doce, que seja doce, que seja doce, que seja doce, que seja doce, que seja doce (repito 7 vezes para dar sorte)...". É isso... que seja doce a vida, com todas as suas des(ilusões). _____________________________ Dulce Miller

Sintonize aqui a rádio passarinho...
As janelas já estão abertas e uma leve brisa balança as cortinas...O mensageiro dos ventos dança...O incenso já está queimando...Uma música agradável está tocando...O chá já está pronto...Só estava faltando você! Vamos...entre...Puxe uma cadeira e fique à vontade! Seja minha companhia que eu serei a sua! Relaxe e ouça os passarinhos... eles cantam alegremente no telhado... Está ouvindo?

Sheila Costa 

sábado, 17 de outubro de 2015

Vivia ali, em seu universo particular... Assim, guardo tudo comigo, pois, conheço a alegria que vem, mas, sei a tristeza que fica.

Primeira foto, desde que a Rafa
foi embora a 6 meses.

Aos poucos renascendo...

17 de out/2015

Meu jeito é quase incompressível. Compro chocolate e bebo vinho nas sextas à noite. Abro a geladeira para repensar os horizontes. Ouço músicas como quem voa perto do mar. Me perco nas letras e me sinto compreendida. Se eu pudesse abraçar algumas músicas, eu o faria. Não que eu diga isso para alguém, claro. Até porque ninguém entenderia – e de mau entendedor, já basta eu. Metade de mim é abrigo. Outra metade medo. Mas, isso ninguém precisa saber. Para os outros sou só uma mulher  normal, de sorriso largo e sonhos palpáveis. E que assim continue. A verdade é que me explicar é pedir para não ser compreendida. Assim, guardo tudo comigo, pois, conheço a alegria que vem, mas, sei a tristeza que fica. Quando sozinha, às vezes, morro comigo. Fico ali, pensando e ensaiando alguns diálogos que nunca sairão dali. Me sinto boba, mas alegre com meu momento de calmaria. Pois, quando não resta nem ilusão, só, me resta. E, no meu cantinho, me lembro como a solidão me faz companhia. Até eu lembrar o significado da palavra companhia e, como quem pouco assume a carência, lembrar que o beijo da solidão não tem gosto de primeira vez. Meus gostos são diferentes. Meus sonhos particulares. Meu mundo interno é um filme de comédia romântica. À minha maneira, caminho entre olhares de espanto e carinho, esperando um dia ser desvendada e posta frente ao amor que, mesmo não admitindo, fico ansiando. Pois, mesmo tendo afeições de sofrimentos passados, sei que o amor é um aroma que perfuma a vida, uma suavidade que a embeleza. Mesmo sendo uma pessoa tão abstrata, espero que eu seja a verdade que sou pra mim, para com quem amo. E minhas alegrias, tristezas, inseguranças e convicções, sejam divididas com clareza. Pois, a verdade é que, no fundo, só eu sei a euforia e a dor que trago no coração.


Frederico Elboni- Adaptado

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

"Ao longe avisto o mar... Em um par de olhos castanhos. Velejar por ele é meu sonho..." _____________________________ Ana Dalla Pozza

Meu coração é uma bússola e aponta para você.

Luara Quaresma
Era tudo muito forte. Havia a confluência do Ganges e do Nilo, do Amazonas e do Yangtzé, o maior rio da China. Todos corriam para o mar. Àquela hora ela era a mais líquida das mulheres, aquela que verte o choro e ainda tem os líquens e os orvalhos. Esta natureza de água decerto era um risco num mundo sem muitas fontes, era um contraste. Tudo muito seco e inóspito, tudo ansiava por água que seria sorvida por uma sede de terra antiga, porque havia os desertos humanos. Parecia não ter fim aquela sede do mundo e a mulher-água tinha muitos afluentes: ternura e graça, poesia e maciez na língua, oásis e plantas irrigadas. Mas assim que toda verve líquida desejava correr em fluxo contínuo, rochas obrigavam a água a estancar e a se repartir, perdendo força, transformando-se de novo em pequenos lagos isolados. A natureza seguia seu curso, às vezes contrariando a si mesma. Estancava quando queria puxar, até que, aqui e ali, uma nova reunião das águas se transformava numa cascata que arrebentava as emoções sutis. A ternura e a graça, a poesia e a maciez da língua, os oásis mais puros e as plantas irrigadas, tudo exposto à tempestade. Quando chegava a este ponto, para não sucumbir à brutalidade, a mulher-água se recolhia e deixava-se levar pelo rio interior onde a emoção contínua transformava-se num pensamento quase ordenado. Havia palavras para colocar pingos nos is, gotas de chuva, moléculas no oceano. Vistas assim como moléculas que se juntam num determinado instante, as águas não eramtão assustadoras, porque a água, como se sabe, tem duas naturezas: uma de riacho doce, um convite de Oxum, outra de onda marítima de arrebentar diques, cidades e civilizações. Quando a onda gigante se insinua sobre os portos, as embarcações batem seus cascos duros. Um atrito de arrebentação, impacto perigoso como as tempestades tropicais, produzidas por elementais que chamam ventos e os comandam por tempo indeterminado. Pode durar dias ou anos, nunca se sabe. Na mitologia dos sentimentos há um balé exigente dançado na ponta dos pés, quando os excessos são recolhidos em garrafas, destas que se lançam ao mar para que se cumpram os acasos. Trata-se de um rito de passagem, ninguém sabe do quê para quê, mas há transformações. Algumas mensagens nunca chegam, batem nas rochas e se transformam em palavras de vidro moído, estilhaços que cortam deixando cicatrizes finas, quase imperceptíveis depois que secam ao sol. Mas algumas mensagens chegam como códigos de sobrevivência que avançam pelos sete mares, contornam as ilhas, ludibriam a besta e seguem levadas pela casualidade até a praia mais mansa, onde toda angústia é espuma. Ninguém imagina que a espuma, que carrega algas e conchas, passou por perigos que têm a ver com o desejo do fluxo, quando as águas começam a formar ondas, redemoinhos, com a força centrípeta puxando e as possibilidades de flutuar parecendo impossíveis. A mulher-água, com toda sua emoção, depois que corre junto ao Ganges e o Nilo, encontra a resistência das montanhas, se revolta, se reparte para seguir seu curso, cai em cascata, despenca no abismo, reúne outra vez os afluentes, ruma para o oceano, provoca as ondinas, dança o balé das ninfas, bebe o sangue das bestas, apazigua-se em espuma, quebra-se num remanso de praia onde se deita exausta. Sua natureza é de onda e quando as rochas a recolhem para ficar ali, ela já partiu, fazendo o caminho de volta ao Ganges e ao Nilo para providenciar a semeadura dos sentimentos sobre a terra inóspita, os desertos humanos. Assim, apesar de todos os obstáculos, fertiliza para sempre e sempre o renascimento, líquido como a criação.



Do livro Todas as Mulheres em Mim

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Fala-me de lucidez. – conta-me como é que a linha do horizonte se traçou no teu peito – em que lado da memória escondeste o mar. E porque sorris assim no interior do meu desassossego? Fala-me de lucidez. Fala-me, para eu adormecer. ___________________ Al Berto

Era uma questão de te olhar e saber que nenhum
sonho bom seria melhor do que você.


— Camila Costa
" Não sei bem certo quando amadureci demais para o amor. Me separei do poema, como águas de cores diferentes. Nos repartimos para nos multiplicar. Deixei o carinho nas palavras, levei a dureza para os dias. Uso a razão para não mais me ferir. Endureci não por falta de amar, mas por excesso. Nunca medi o tamanho do beijo, antes da paixão eu já cedia na entrega. Não mais, por agora. Uma serenidade me convidou ao descanso. Somente espero sem subornar a expectativa. Nem sempre a espera tem recompensa. Ela apenas favorece o tempo. E o tempo, traz cura. Hoje quero apenas companhia, uma mão pousada sobre a minha até o próximo domingo. Uma vida sem crer no amor é tão cruel como a morte. Por enquanto, adormeço.




Cáh Morandi.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Eu amo dormir. A minha vida tem tendência de desmoronar quando estou acordada. _____________________ (Ernest Hemingway)

Que importa nosso medo se o instante eterniza?

 (
Danilo Cezar Rodrigues)
Eu disse bons sonhos. Mas na verdade queria dizer sonha comigo! Sonha com a gente! Sonha você em meus braços. Eu te levando pra marte e te livrando do mundo. Te oferecendo os meus dias e você me pagando com os seus. E querendo mais dias pra trocar. E te enfeitiçando com outras promessas. E não podendo cumprir nem essas, mas insistindo em te ver sorrindo. Mesmo que pra isso eu tenha que alterar teu destino.

João Nunes

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

A fé é o que torna o fardo leve, a vida farta e o caminho com pequenas doses de surpresas doces. __________________________ Camila Lourenço

Foto Presente!
Mas, vem, que minha proposta é de um perpétuo movimento: deste que nos faz vivos, confusos, certeiros, intensos, inteiros. Eu entendo essa roupa feita de jornadas. Eu entendo essa alma impulsionada pela eterna busca. Mas quando teu corpo inteiro só precisar de um aconchego, te faço uma cama entre os meus seios só pra você me contar sobre o fim do tempo da espera. (Vem! Pra nos anteciparmos todas estas primaveras.)

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Segundo os astrólogos, no meu mapa astral há a chamada "trindade de alma", e isso quer dizer que eu recebo no peito, como um soco, as múltiplas dores do mundo. _________________________ (Hilda Hist, in Cascos e Carícias e Outras Crônicas)

Hoje é um dia próprio pra te ler.
F. Coelho
Aquele rio e aquele homem não se entendiam. O rio tinha medo dos seus fantasmas vestidos de igarapés. E o homem, que desprezava o destino do rio, cansado de ter amado tanto, se recusava a dizer ao rio que era as suas imutáveis margens. Somente a lua, cega de reflexos, o compreendia.




Fernando Coelho 

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

"Ela tinha medo da noite, mas quando o escuro penetrava no silêncio das horas, vestia seu pijama de estrelas para adormecer com o som dos sonhos... acalanto." ____________________________ Dulce Miller

 Tá ficando tarde…

Vai dormir?

Vou viver. 



Caio Augusto Leite
Penso em ti. Nada em mim pulsa sem a memória diária de tuas palavras pronunciadas, recém afloradas dos rios vindos de estrelas cheias de alvorada. Nada em mim cresce sem a floração dos teus olhos negros. Isto é mais que amor. Talvez o nascer de um novo sentimento que semeia a novidade de outro tempo.

Fernando Coelho

Que as palavras que eu falo, não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor, apenas respeitadas como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos; Porque metade de mim é o que ouço, mas a outra metade é o que calo"..., ___________________________ Oswaldo Montenegro.

Você tem o sorriso de folha dourada e
navega no segredo entre o outono e a primavera.

Fernando Coelho
Calem as palavras. Pois não acredito em nenhuma. Prometem aquilo que não somos. Basta confrontá-las com a realidade, com a dificuldade, e se estilhaçam, caem por terra, esquecem-se de ser o que prometeram no instante que esquecemos de ser aquilo quando prometemos. Quero uma palavra que me acompanhe por entre as sombras e banque a si sua existência. Quero a palavra que descanse e não me dê apenas a ideia de alívio. Quero a palavra que alivie e não me dê apenas temporária anestesia. Quero uma que valha mais que os silêncios. Amor declarado não é o suficiente. Quero o amor em prática, a sinceridade empírica, o cuidado e a atenção vividos no verbo realizado. Insistimos em sermos aquilo que nos impede de sermos melhores. E falamos sempre o contrário. 



Guilherme Antunes