terça-feira, 10 de novembro de 2015

"Ao rosto vulgar dos dias, a vida cada vez mais corrente, as imagens regressam já experimentadas, quotidianas, razoáveis, surpreendentes." ______________________ Alexandre O'Neill.

Fiquei mais quieta depois que sonhei com o silêncio. 
Eu ando acordando poemas e adormecendo a prosa.


Célia Musilli.
Quando perco o sono fico costurando flores por dentro dos sonhos , no viés do vestido da noite.Às vezes me dá uma vontade crua de ser triste só pra encharcar com lágrimas de sal a poesia e espantar as abelhas.Mas não aprendi amargura nem quando me amamentaram com fel.Eu só preciso pingar duas gotas de lua nos meus olhos pra dilatar a pupila e resgatar minha inocência e aceitar com ternura minha vida de insônias, ardências e alguns (des)encontros. Estou com sede de mudanças, mas não quero arrastar os móveis, nem desentortar os quadros.Quero desabitar meus hábitos; entrar na poeira estagnada das coisas e assoprá-la no vento como quando se liberta um passarinho depois de curar sua asa machucada. Pra estar feliz eu só preciso deixar que meus dedos dancem a coreografia do poema novo,vestir as palavras de cetim pra seduzir o moço e aumentar as exclamações do seu desejo. Amanhecer é da competência dos dias. O poeta tece a paisagem.
*
*
*
(Marla de Queiroz)