sábado, 5 de dezembro de 2015

Ela chove quando a saudade se move. Lembra das sombras dele. Mas, o amor não quebra galho. Um dia é temporal. No outro, orvalho. _______________________________ Noemi Prates.



Prenda-me em seu olhar.

Renda-se bem devagar. 

Guarde os meus detalhes nas retinas. 

Esconda-me em suas pupilas. 

Decifre os meus sinais. 

Siga as minhas pistas.

Descubra o mundo, mas, não me perca de vista.



Noemi Prates.
Hoje foi mais um dia daqueles. Silenciosos. Observei cada canto desta casa, sempre vazia. Fiz tudo o que podia, coisas que eu achava que nem sabia fazer. Li livros, assisti a vários filmes, brinquei com meu gato, pintei o cabelo e as unhas. Acho que estou de luto... pelo meu coração. Alguns filmes me lembraram você e por isso, chorei. Reli aquelas conversas; sabe aquelas que me enviou quando me dizia uma serie de poesias diretamente vindas do coração. Pois é, elas mesmas. Tempos bons foram aqueles, não é? Não me lembro quando foi a última vez que ri. Aliás, lembro sim. Foi no sábado... retrasado. O dia em que aquela maldita enxaqueca começou. Na quinta já não aguentava mais e resolvi procurar um médico. Sinceramente, acho que ele se assustou. Me diagnosticou como doente de amor crônico. E foi aí que eu percebi: não tem cura.

Kelly Gomes (flor)- Adaptada