terça-feira, 31 de março de 2015

Por que procurais entre os mortos aquele que está vivo? .................................


"Ele nos ungiu, nos selou como sua propriedade e
 pôs o seu Espírito em nossos corações 
como garantia do que está por vir."    

  2 Coríntios 1:21-22
.

A Adélia diz: “De vez em quando Deus me castiga, me tira a poesia. Olho uma pedra e vejo uma pedra…” Tem gente que ouve o canto das cigarras e ouve apenas o canto das cigarras. Tem gente que fala Páscoa e só vê ovo de chocolate. Pensam na ressurreição como algo que aconteceu, faz muito tempo, num lugar distante. (Impossível diriam, mortos não ressuscitam.) E pensam em algo que acontecerá de novo num tempo distante, muito longe, no futuro (Impossível diriam, Mortos não ressuscitarão!). Mas a poesia não conhece nem o passado e nem o futuro. O passado sobre que a poesia fala é presente na memória e nos sentimentos. O futuro sobre que a poesia fala é presente na esperança. Assim os poemas da ressurreição falam sempre do presente. A Morte é agora. Nós somos o túmulo. “Quem anda duzentos metros sem vontade anda seguindo o próprio funeral vestindo a própria mortalha…’ Muita gente morreu e não percebeu. Mas a Ressurreição pode acontecer  a qualqer momento.

Rubem Alves



Nenhum comentário:

Postar um comentário